Maringá é a cidade que tem melhor saneamento básico do País, segundo a edição de 2024 do ranking do Instituto Trata Brasil. Além disso, o Paraná tem outras quatro cidades entre as mais bem ranqueadas do País, todas atendidas pela Sanepar: Cascavel em 9º, Ponta Grossa em 10º, Foz do Iguaçu em 13º e Londrina em 14º. São José dos Pinhais em 21º e Curitiba em 22º também estão na lista das 50 cidades brasileiras com melhores indicadores na área.

Maringá saltou de 14º em 2023 para 1°, com 99,9% no Indicador de Atendimento Total de Água e no Indicador de Atendimento Total de Esgoto, além de 100% em Tratamento de Esgoto. O investimento da Sanepar no período 2017-2021 foi de R$ 117 milhões. Cascavel e Ponta Grossa também avançaram uma posição, com os mesmos índices de atendimento de água e esgoto. Os investimentos foram de R$ 115 milhões e R$ 158 milhões, respectivamente.

Foz do Iguaçu entrou no ranking pela primeira vez, com 99,9% de Indicador de Atendimento Total de Água e 99,47% de Indicador de Atendimento Total de Esgoto. O investimento foi de R$ 183 milhões. Londrina saltou de 19º para 14º, também com 99,99% de atendimento de água e esgoto. O investimento foi de R$ 118 milhões.

As sete cidades paranaenses ficam à frente de lugares como Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Porto Alegre, Salvador, Florianópolis, Fortaleza e Manaus. O diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile, destaca que mais cidades do Estado só não aparecem no ranking por causa do corte populacional do estudo, que foca nas cidades mais populosas. As 344 cidades atendidas pela Sanepar no Estado, por exemplo, têm 100% de abastecimento com água potável.

“O Paraná tem os melhores indicadores de saneamento do País. E estamos investindo para que o Estado seja um dos primeiros a atender às metas do Marco Legal. Investimento em saneamento é investimento em saúde pública, em saúde preventiva”, disse. “Umuarama, com cerca de 160 mil habitantes abastecidos com água tratada, tem 95,82% de atendimento com esgotamento sanitário. Cambé é outro exemplo, com 150 mil habitantes e 98% de coleta e tratamento de esgoto. E vamos continuar investindo para melhorar ainda mais”.