A Receita Federal e a Polícia Federal deflagraram, na manhã desta quinta-feira (04/07), a 2ª fase da operação Moto Perpétuo. A investigação teve como objetivo identificar o patrimônio oculto e rendimentos oriundos de atividade criminosa realizada por organização liderada por um casal de empresários que atua no setor da saúde na região de Curitiba/PR.
O casal investigado já havia sido alvo de investigação anterior, denominada Operação Fidúcia, a qual desarticulou uma organização criminosa que se utilizava de OSCIPs para celebrar convênios e termos de parceria com a Administração Pública, que, utilizando-se de expedientes fraudulentos das mais diversas ordens, desviou, apropriou-se e lavou os recursos ilicitamente auferidos.
O caso é um desdobramento da operação Moto Perpétuo, deflagrada em 23/04/2024, a qual resultou na expedição de 13 mandados de busca e apreensão.
A operação contou com a participação de aproximadamente 15 policiais federais e 6 auditores-fiscais e analistas-tributários da Receita Federal que cumpriram, ao todo, 3 mandados de busca e apreensão, nas cidades de Curitiba/PR e Bombinhas/SC.
As ordens judiciais expedidas pela 9ª Vara Federal de Curitiba preveem o bloqueio de imóveis, a indisponibilidade de quotas sociais de empresas, a apreensão de valores e de veículos de alto valor.