Durante o Novembro Dourado, mês em que se celebra o Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantojuvenil, no dia 23/11, o Pequeno Príncipe, maior hospital exclusivamente pediátrico do país, reforça a importância do diagnóstico precoce para salvar vidas. Nesse caso, descobrir a doença precocemente é fundamental para o sucesso do tratamento. Primeira causa de morte no Brasil entre crianças e adolescentes (de 0 a 19 anos), o câncer pode ser curado em mais de 84% dos casos, desde que seja detectado em estágio inicial.

As informações são do Instituto Nacional do Câncer (Inca), segundo o qual a sobrevida também depende do tipo de câncer. A leucemia é o tipo mais comum no público infantojuvenil, seguida de tumores do sistema nervoso central, linfomas e retinoblastoma. Em crianças e adolescentes, a doença se desenvolve mais rápido e é considerada mais agressiva. Por outro lado, essa faixa etária responde melhor ao tratamento, e as chances de cura são maiores em comparação com um paciente adulto. Por isso, os sinais de alerta, o diagnóstico precoce e o tratamento assertivo são tão importantes.

A oncologista Ana Paula Kuczynski Pedro Bom, do Hospital Pequeno Príncipe, explica que alguns sinais podem passar despercebidos por serem comuns em outras doenças, então pais e responsáveis devem estar ainda mais atentos aos demais sintomas. Além da febre persistente e queixas de dores, é preciso observar distúrbios visuais e reflexos nos olhos; palidez inexplicada; fraqueza constante; aumento progressivo dos gânglios linfáticos; manchas roxas e caroços pelo corpo, não relacionados a traumas; dores de cabeça, acompanhadas de vômitos; perda de peso, com aumento/inchaço na barriga; e suores constantes e prolongados.

Referência

Referência há mais de meio século no tratamento oncológico para crianças e adolescentes, o Serviço de Hematologia e Oncologia do Pequeno Príncipe é o mais importante centro para tratamento de câncer pediátrico do Paraná e um dos principais do Brasil. A chefe do serviço, Flora Mitie Watanabe, destaca os avanços da instituição com a união entre pesquisa, ciência e tecnologia.

Os estudos do Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe (IPP), aliados às modernas e complexas análises genéticas do Centro de Diagnóstico Avançado Pequeno Príncipe, têm contribuído para a precisão diagnóstica e adoção de um tratamento ainda mais assertivo.

Altamente especializado no tratamento de câncer infantojuvenil, como tumores sólidos, e doenças hematológicas malignas e não malignas, o serviço também é referência para internamento de pacientes com hemofilia e anemia falciforme. Oferece consultas, suporte laboratorial, exames de imagem e tratamentos cirúrgicos e quimioterápicos.

Outro diferencial está na sua estrutura de suporte. Como o Hospital dispõe de atendimento em 35 especialidades médicas, a equipe de oncopediatras conta com especialistas das mais diferentes áreas, para compor o grupo de atenção aos pacientes. Somam-se às equipes médicas os profissionais de enfermagem, nutricionistas, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, farmacêuticos, psicólogos e assistentes sociais.

Com 80% de seus pacientes oriundos do Sistema Único de Saúde, o serviço atende a cerca de cem novos casos de câncer infantil por ano, com predominância das leucemias, dos tumores do sistema nervoso central e dos tumores abdominais. “Diariamente fazemos cerca de 30 sessões de quimioterapia e 35 consultas”, informa a médica.

A instituição também disponibiliza uma cartilha para famílias que estão enfrentando a doença. O download gratuito pode ser feito pelo link:

http://pequenoprincipe.org.br/projetosabermais/manual/apj_fab_onco_01.pdf.