Chega a 378 o total de casos positivos de dengue em Umuarama. Nas duas últimas semanas, a Secretaria Municipal de Saúde registrou 64 novos casos – média de mais de quatro exames com resultado positivo a cada dia. Além disso, há ainda 292 suspeitas em investigação, que devem aumentar ainda mais os números da doença nos próximos dias.

A dengue está presente em 97 localidades de Umuarama, incluindo os distritos. Lovat e Vila Nova União enfrentam situação de surto da doença, bem como as unidades básicas de saúde Lisboa, Guarani/Anchieta, Bem-Estar, Posto Central, 26 de Junho, Ouro Branco, Sonho Meu, Vitória Régia, os jardins União e Cruzeiro, Cidade Alta e o Centro de Saúde Escola (CSE) – totalizando 14 UBS.

Devido ao alto índice de casos, outras seis unidades estão em alerta: Jabuticabeiras, Primeiro de Maio, Panorama, San Remo, Industrial e Jardim São Cristóvão. A situação é mais tranquila apenas nos distritos de Serra dos Dourados, Roberto Silveira (ainda se casos confirmados), Santa Eliza e Nova Jerusalém (baixa incidência). Desde o início do atual período epidemiológico (agosto/2022), foram registradas 2.848 notificações de casos suspeitos, dos quais 2.178 foram descartados.

Umuarama também registra 15 notificações de febre chikungunya, transmitida pelo mesmo mosquito responsável pelo contágio da dengue, o Aedes aegypti. São cinco casos confirmados, oito descartados e dois continuam em investigação.

Dentre as pessoas contaminadas pela dengue, duas tiveram complicações mais graves (sinais de alarme), uma pessoa morreu e outras duas mortes estão sendo investigadas pelo comitê estadual da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). Cerca de 10% dos casos positivos (37) se concentram na região central de Umuarama, que é atendida pelo Centro de Saúde Escola. Também volumes expressivos na região da UBS Bem-Estar (32), na Vitória Régia (25), na Cidade Alta (24) e no Posto de Saúde Central (23).

No último boletim estadual, o Paraná aparece com 8.518 novos casos de dengue e mais sete óbitos, totalizando 93.915 casos e 68 mortes em decorrência da doença no atual período epidemiológico, iniciado em 31 de julho de 2022 e que será concluído dentro de 40 dias. Os dados são da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).